Demanda por agro do Brasil seguirá crescendo, diz embaixador chinês

Demanda por agro do Brasil seguirá crescendo, diz embaixador chinês

A China foi a grande estrela do comércio exterior brasileiro nos últimos anos. Para o embaixador brasileiro Yang Wanming, esse cenário continuará, com amplo interesse das empresas chinesas em investir no agronegócio brasileiro e em setores como tecnologia e infraestrutura. Wanming participou de uma entrevista no fórum “Super Agro Brasil 2021“, organizado pela EXAME nesta quinta-feira, 8 (veja a programação completa). Em painel anterior, o evento contou também com a participação do embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman. O embaixador chinês disse que o agronegócio é um dos pilares da relação entre China e Brasil, e que a parceria inclui exportação de produtos e transferência de tecnologia. “Somos parceiros naturais e estratégicos na cooperação agrícola”, disse. “No contexto da pandemia, o papel da agricultura ganha uma importância ainda maior para o Brasil, para a China e para o mundo.” A China investiu mais de 5 bilhões de dólares em projetos relacionados à agricultura no Brasil, segundo o embaixador, em frentes como terminais portuários e tecnologia para aumentar a produção de soja, o produto brasileiro que é mais comprado pela China. “As empresas chinesas estão otimistas com o futuro do investimento na área agrícola do Brasil, e esperam manter-se atualizadas das políticas brasileiras de atração de investimentos ligadas à agricultura, logística e infraestrutura”, disse Wanming. Em grande parte devido à demanda crescente por produtos agrícolas, a China é a maior parceira comercial do Brasil, metade das vendas ao país sendo em exportações agropecuárias. Em sua fala, Wanming ressaltou que a China é a maior compradora dos produtos agrícolas brasileiros há mais de dez anos. Para o embaixador, uma das maiores frentes de investimento chinês no...
Luft Logistics está posicionada em setores estratégicos da economia brasileira

Luft Logistics está posicionada em setores estratégicos da economia brasileira

Com mais de 30 unidades espalhadas pelo País, operadora logística mantém forte atuação no agronegócio, saúde, e-commerce e varejo   Segundo dados da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a balança comercial das exportações brasileiras do agronegócio registrou aumento de 4,1% em 2020 em relação a 2019. As vendas de medicamentos no mercado brasileiro cresceram 10,6% no último ano, de acordo com levantamento da IQVIA. No e-commerce, de acordo com dados da Câmara Brasileira da Economia Digital e Neotrust, o faturamento no Brasil mais que dobrou em 2020, com crescimento de 122% no acumulado até novembro. E no varejo restrito (que exclui os ramos automotivo e de materiais de construção), a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) calculou alta de 1,9% ao fim de 2020, com base em dados da Pesquisa Mensal de Comércio divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Considerada uma das melhores operadoras logísticas do Brasil, a Luft Logistics mantém forte atuação em setores considerados estratégicos da economia: agronegócio, saúde, e-commerce e varejo. A empresa se destaca pelos investimentos em gestão e tecnologias que atendem aos requisitos da indústria 4.0. “Buscamos estar sempre alguns passos à frente em diferentes aspectos, inclusive no que diz respeito às tecnologias necessárias para a implementação das operações logísticas mais ágeis e seguras possíveis”, declara Gustavo Saraiva, CIO da Luft Logistics. “Em meio à pandemia, estamos trabalhando incansavelmente em setores essenciais através da Luft Agro, Luft Healthcare e Luft Solutions, mantendo a excelência dos serviços como foco”, afirma. Nos últimos anos, o Grupo Luft tem feito investimentos significativos em...
Mario Luft, da Luft Logistcs. “Tivemos sucesso nos nichos de mercado na logística”

Mario Luft, da Luft Logistcs. “Tivemos sucesso nos nichos de mercado na logística”

  Um depoimento arrojado, centrado na disciplina, metodologia e estratégia que permearam a história da Luft Logistics. Empresa que nasceu em 1975, do sonho de Raimundo Luft, com o nome de Transportes Luft, na cidade de Santa Rosa – interior do Rio Grande do Sul. Com detalhes, Mario Luft, filho de Raimundo e um dos fundadores da empresa, descreve como a Luft Logistics obteve sucesso atuando no transporte dos setores de defensivos agrícolas, saúde, farmacêutico, agroquímico, embalagens, carga industrial, até chegar hoje aos seus 40 anos de vida, com atuação no varejo e e-commerce, food service e na sua internacionalização.    ...
84,1% dos produtores rurais acessam tecnologias digitais

84,1% dos produtores rurais acessam tecnologias digitais

Pesquisa inédita realizada pelo Sebrae, em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostrou os principais avanços tecnológicos na agricultura brasileira. De acordo com o estudo, 84,1% dos produtores rurais utilizam pelo menos uma tecnologia digital em seu processo produtivo. Ainda segundo a pesquisa, 67,1% dos entrevistados acreditam na necessidade cada vez maior do uso das tecnologias para o planejamento das atividades da propriedade e apenas 15,9% ainda não utilizam nenhuma tecnologia. O levantamento contou com a participação de produtores agrícolas de todos os estados brasileiros. As perguntas foram aplicadas entre os dias 17 de abril e 2 de junho de 2020. Os resultados podem apresentar margem de erro variando em até 5% para mais ou para menos. A análise mostrou que dentre as tecnologias digitais destacam-se o uso de internet para atividades gerais ligadas à produção agrícola (70,4%); aplicativos de celular ou programas de computador para obtenção ou divulgação de informações da propriedade e produção (57,5%) e aplicativos de celular ou programas de computador para gestão da propriedade e produção (22,2%). Outro dado revelado pela pesquisa sobre o comportamento dos produtores rurais brasileiros é a adesão às redes sociais como um dos principais meios de informação. 57,5% dos entrevistados declararam utilizar redes sociais para obter ou divulgar informações da propriedade e da produção. Contudo, os agricultores relatam que ainda possuem dificuldades para implantar ou melhorar seu processo produtivo com a agricultura digital, devido ao alto valor do investimento para a aquisição de máquinas, equipamentos ou aplicativos (67,1%); problemas ou falta de conexão em áreas rurais (47,8%); valor para...